Da Época

// natal //

Esta é ‘a’ época.
O Natal.

Quando fazemos do ‘estar presente’ o nosso verdadeiro presente.
Quando nos deixamos levar pela magia, pela tradição e pela imaginação.
Nos rodeamos de luz(es) e usufruímos desta época tão cheia de tudo. 
Quando os laços (não os da prendas) se tornam mais fortes e dedicamos tempo a valorizá-los.

‘Natal é quando um Homem quiser’, dizia Ary dos Santos. Bem… até podia ser.
Mas não era a mesma coisa. Maio não nos traria o frio para acender a lareira nem Setembro a luz ténue para acender umas bonitas velas.

Começa a magia.

A imaginação leva-nos à nossa cabana da floresta.
Estamos rodeados de árvores altas, a neve cai lentamente em pequenos flocos, há lenha cortada bem empilhada cá fora e outra já a crepitar lá dentro.
Esta é a altura em que temos especial prazer em criar o que podemos chamar de ‘caos felizes’ que resultam em peças ainda mais felizes. Trazemos os caixotes com material e espalhamos a Natureza em cima da mesa. A música já toca ao fundo e na playlist não faltam os clássicos que intercalam o jazz com versões mais chill, covers contemporâneos e mesmo outras combinações improváveis.
Cantarolamos, acendemos luzes e velas e sentimos que estão prestes a chegar ideias iluminadas à bancada de trabalho. Mãos à obra.
Temos os elementos para começar a trabalhar a coleção de Natal.

O aroma do pinheiro dá o mote.
Seguem-se as pinhas, as folhas de magnólia, o musgo, a flor de de algodão, tantos outros secos, a laranja desidratada ou a canela para temperar com aquela pitada doce da época.
Os verdes iluminam-se com os brancos, aquecem com os laranjas e aconchegam-se com os vermelhos. Abraçam-se aos castanhos dos galhos e da madeira e há uma linha que começa a surgir.

Construímos, reconstruímos e descontruímos até sentirmos assomar aquele sorriso de satisfação. 
Olhamos bem. Vemos como fica de frente, de lado, na parede, na mesa, no chão ou na nossa mão.

A mesa enche-se de fragmentos de todos estes elementos e sorrimos perante esta moldura natural que preenche o espaço. Este ‘caos feliz’.
Depois será tempo de limpar, compor e dar destaque a cada criação.
Mas no momento da obra… sujamos mãos, mesas e chão.

E é quando começamos a apreciar o trabalho feito que temos a pausa merecida.

Acendemos o incenso aproveitando o pavio das velas, espalha-se uma neve de última hora no pinheiro, puxamos uma cadeira e sentamo-nos a saborear uma deliciosa french toast, tão apropriada (não fosse ela a parente francesa da rabanada) para a época e que se insere tão bem neste nosso quadro. Com a compota de frutos vermelhos à espreita, a banana tão bem acomodada, a manteiga de amendoim a escorrer em câmara lenta e a granola tão crocante acabada de ser polvilhada.

É, por isso, de garfo na mão que vos deixamos o convite para conhecerem esta coleção de Natal na nossa loja online e que vos lembramos que fazemos entregas em todo o país.

Comecem as festividades, estamos prontos!

Add to cart